Expressões utilizadas na linguagem comum (com evocação de valores e situações tauromáquicas)

EXPRESSÕES LINGUÍSTICAS EVOCATIVAS DE VALORES E SITUAÇÕES TAUROMÁQUICAS


Expressões ♦ Adágios ♦ Provérbios ♦ Ditados ♦ Rifões


  • Ao doido e ao touro, dá-lhe o curro/corro.[1]
  • Cavala seca não embola toiros (provérbio terceirense que alude à refeição oferecida aos pastores que se quer substanciosa).[2]
  • Certos são os touros.[3]
  • Deitar/lançar a capa ao touro (deixar tudo para se salvar).[3] e [4]
  • Deixou-me nas pontas do touro.[5]
  • Faz-te morto, deixar-te-á o touro.[1]
  • Fecha/fechar as portas, que soltam os touros.[1]
  • Ficar nos cornos do touro (ficar mal visto, ser culpabilizado ou responsabilizado por uma situação ingrata).[6]
  • Forte como um touro (forte como um homem de grande robustez física).
  • Fugir da volta do touro.[5]
  • Gente tola e touros: paredes altas.
  • Guarda da volta do touro.[5]
  • Guardar daqueles que a natureza assinalou ("porque os antigos punham feno na ponta do touro bravo, para que a gente se guardasse").[5]
  • Mete o touro no laço, que asinha vem o prazo.[1]
  • O boi pela ponta, o homem pela palavra.[7]
  • Pegar/agarrar o touro pelos cornos (enfrentar uma situação difícil com determinação e coragem).
  • Pelejam os touros, mal pelos ramos.[1]
  • Quando o trigo é louro, é o barbo como um touro.[1]
  • Ter-se visto nos cornos do touro.[3]
  • Touro não berra por filho.[8]
  • Touro que me escornou, em bom lugar me lançou.[5]
  • Touro, galgo, e barbo, todos tem sesão em Maio.[1]
  • Ver os touros de palanque[5] (ver a seu salvo as desordens, perigos alheios).[4]



Rimas ♦ Lengas-Lengas ♦ Jogos Infantis


Lengas-Lengas

Amanhã é domingo

Pé de cachimbo.

Toca na gaita,

Repica no sino.

O sino é de ouro,

Repica no touro.

O touro é bravo,

Mata fidalgo.

O fidalgo é valente,

Enterra menino

Na cova dum dente.

(Moncorvo)[9]


Amanhã é domingo

Bate no pingo,

A pomba é de barro,

O adro é fino,

O sino é de ouro,

O touro é valente,

Sete mulheres na cova dum dente.

Amanhã é domingo

Bate no pingo,

A pomba é de barro,

A rêde é miúda,

O adro é de prata,

O sino é de ouro,

O touro é valente,

Sete mulheres na cova dum dente.

(Águas Santas - Maia)[9] (Águas Santas - Maia)[9]


Amanhã é domingo

Do pé do cachimbo.

O galo pedrêz

Pica na rêde.

A rêde é fina

Pica no sino.

O sino é de ouro

Pica no touro.

O touro é bravo,

Arrebita o rabo

P'ra cima do telhado,

(Barrozelas)[9]


Amanhã é domingo

Do pé do cachimbo.

Toca-lhe a gaita,

Repenica o sino.

O sino é d'ouro,

Repenica o touro.

O touro é bravo,

Subiu ao telhado,

Quebrou uma telha

fêz muito pecado.

(Vila Nova de Gaia)[9]


Jogos

Pintolo minto

Que vend’á vaca

A trint’e cinco.

Forolo mouro

5 Que tu és touro,

Viva a faca

Da comaca

E o rio.

Dá-me a vez

10 Que t’acama

À tua vez.

[10]



Referências/Notas
  1. 1,0 1,1 1,2 1,3 1,4 1,5 1,6 Antonio Delicado. Adagios portuguezes reduzidos a lugares communs/pello lecenciado Antonio Delicado, Prior da Parrochial Igreja de Nossa Senhora da charidade, termo da cidade de Euora. Lisboa, officina de Domingos Lopes Rosa, 1651.
  2. Panorama: Revista Portuguesa de Arte e Turismo, série 2, n.º 9, Lisboa, 1954, Portugal.
  3. 3,0 3,1 3,2 Rafael Bluteau. Vocabulario portuguez e latino, aulico, anatomico, architectonico, bellico, botanico, brasilico, comico, critico, chimico, dogmatico, dialectico, dendrologico, ecclesiastico, etymologico, economico, florifero, forense, fructifero... autorizado com exemplos dos melhores escritores portugueses, e latinos... / pelo Padre D. Raphael Bluteau. Coimbra: no Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712-1728. 10 Vol.
  4. 4,0 4,1 Antonio de Moraes Silva. Diccionario da lingua portugueza, recopilado de todos os impressos até o presente por Antonio de Moraes Silva. Na typ. de M. P. de Lacerda, 1823.
  5. 5,0 5,1 5,2 5,3 5,4 5,5 Bento Pereira. Florilegio dos modos de fallar, e adagios da lingoa portuguesa: dividido em duas partes, em a primeira das quaes se poem pella ordem do Alphabeto as Frases Portuguesas, a que correspondem as mais puras, & elegantes Latinas: na segunda se poem os principaes adagios Portugueses, com seu Latim proverbial correspondente. Pera se ajuntar a Prosodia, & Thesouro Portugues, como appendiz, ou complemento. Lisboa, Paulo Craesbeeck, & à sua custa, 1655.
  6. J. João Dias de Almeida. Dicionário aberto de calão e expressões idiomáticas. Fevereiro, 2022.
  7. Francisco António da Cunha Pina Manique. Ensaio phraseologico ou collecção de phrases mataphoricas, elegancias, idiotismos, sentenças, provebios e anexins da lingua portugueza. Typogragraphia da Nação, 1856.
  8. Ethnos: revista do Instituto Português de Arqueologia, História e Etnografia, Volume 4, 1965.
  9. 9,0 9,1 9,2 9,3 9,4 Joaquim Rodrigues dos Santos Júnior. "Lenga-lengas e jogos infantis". Trabalhos de Antropologia e Etnologia, Vol. 8 (1936), Fascículo 3-4 1938.
  10. Adolfo Coelho. Romances Populares e Rimas Infantis Portuguesas In : Obra etnográfica (I) : Festas, costumes e outros materiais para uma Etnologia de Portugal [em linha]. Lisboa : Etnográfica Press, 1993 (généré le 23 février 2022). Disponible sur Internet : <http://books.openedition.org/etnograficapress/5521>. ISBN: 9791036544668. DOI : https://doi.org/10.4000/books.etnograficapress.5521.